domingo, 19 de setembro de 2010

co dependencia

10 horas
(... ou “O Sonho de Uma Co-Dependente)

Às dez horas eu voltarei para você
E direi o que sempre quis ouvir.

Entrarei pelo portão já não moço, mas grisalho;
Não eufórico, rápido e alegre,
Mas calmo e feliz...

E a olharei com ternura e com amor.

Perguntarei se está tudo bem
Como quem realmente deseja
E se importa em saber.

Se precisa de alguma coisa
Ou mesmo, se esqueci alguma coisa...

Abraçarei tua cintura
E a beijarei assim.
Doce e simplesmente...

Abrirei a porta de nossa casa
E farei comentários tolos e burgueses
Tentando acompanhar o teu rítmo...

Falarei que vai chover,
Direi que encontrei um amigo
E que vi um dos seus filhos...

Enfim, mostrarei à você...

Que às 10 horas eu existo,
Que às 10 horas sei ainda
E sempre saberei quem eu sou e onde estou

E que às 10 horas
Durante todo o tempo
Que Deus ainda nos permitir...

Você estará lá no portão
Me esperando...
Calma, grisalha e feliz!



Pois é, pessoal deixa eu me apresentar.
Meu nome é Regina e sou co-dependente de meu marido que está em recuperação do alcoolismo há 9 meses.

Fiz estes versos para ele, muito embora até agora ele não os tenha lido, mas que depois de tantos anos reflete uma calmaria duramente alcançada.

Só por hoje vivemos como nas letras desses versos, como uma "profecia" como um desejo muito grande de como seria se meu marido desejasse se recuperar, um sonho mesmo de uma co-dependente, cujo marido às dez horas da manhã já estava em estado lamentável de prostação pela ingestão do álcool.

Antes que ele aceitasse um tratamento, há muitos anos participo de grupos de auto ajuda o que permitiu que eu compreendesse alguma coisa sobre a sua doença e mais do que isso, sobre eu mesma.

Compreendi que Deus estará sempre em nossas vidas, mas que isto não implica que nós deveremos viver um à vida do outro, cada um tem o seu caminho, a sua conquista e ela será sempre individual.

Continuamos aprendendo e somos gratos imensamente por isto.

Abraços!

Nenhum comentário:

Postar um comentário